Um ensinamento de Freire para a teologia

Um ensinamento de Freire para a teologia

Painel Paulo Freire no Centro de Formação, Tecnologia e Pesquisa Educacional (Cefortepe) da Secretaria Municipal de Educação de Campinas, São Paulo (Wikimedia/Luiz Carlos Cappellano)


Paulo Freire, em sua primeira carta aos professores, em seu primeiro parágrafo, já dá o tom de como ela será e qual a perspectiva que pressupõe, a saber, que “não existe ensinar sem aprender”, ou seja, todo aquele que ensina também aprende e todo aquele que aprende também ensina. Assim, “o aprendizado do ensinante ao ensinar se verifica à medida em que o ensinante, humilde, aberto, se ache permanentemente disponível a repensar o pensado, rever-se em suas posições; em que procura envolver-se com a curiosidade dos alunos e dos diferentes caminhos e veredas, que ela os faz percorrer[1].

Alguém pode se perguntar o que um texto de Paulo Freire teria a ver com o caderno de religião do Dom Total e de que maneira tais considerações podem nos fazer refletir sobre o saber, falar e ensinar teologia na atualidade. No entanto, olhar atentamente tal premissa se revela fundamental para uma teologia que ser dizer no século 21.

É sabido que durante muito tempo e, infelizmente, em muitos ambientes cristãos da atualidade, ainda permanece entre as lideranças um pressuposto de que a teologia é o saber supremo por excelência e que todo conhecimento deve, portanto, ser submetido a ele. Da mesma forma, ainda é comum percebermos teólogos e teólogas que acreditam piamente que o povo não tem nada a ensinar, devendo somente receber os ensinamentos vindos das lideranças sem questionamentos. Em muitas igrejas, questionar as lideranças é sinal de rebeldia e insubordinação. Tem até versículo bíblico para intimidar aqueles e aquelas que se levantam contra os ensinamentos e atos dessas lideranças: “Ai daquele que toca o ungido do Senhor”, por exemplo, é paráfrase de um desses (2Sm 1,14). Infelizmente, não são poucas pessoas que, não sabendo o que o texto quer dizer no seu contexto, aceitam-no como mandamento ao silêncio, fazendo com que os atos e ensinamentos distorcidos permaneçam na vida da comunidade.

Contra esse tipo de postura, o pequeno ensinamento freiriano que se encontra nesse pequeno trecho se mostra fundamental. É necessário que a teologia saia desse lugar superior no qual ela mesma se colocou e se mostre disponível a “repensar o pensado, rever-se em suas posições”. Em outras palavras, não ter medo de fazer uma revisão de si própria, ponderando quais os discursos que fazem e aqueles que não fazem mais sentido em dias atuais. Juntamente com isso, a teologia deve fazer o movimento em direção do povo para através dele, e em seu meio, poder aprender a falar com ele, de maneira que o discurso teológico não seja visto como meramente espiritualista, desconexo da realidade e que não toca o coração de seus ouvintes.

De nada adianta um discurso teológico que pretende somente ensinar sem estar disposto a aprender. Tal atitude, soberba em diversos aspectos, tende somente a afastar o povo, ou fazer com que os que estejam dentro do cristianismo o façam por medo de algum tipo de condenação da parte de Deus.

Uma teologia, caso queira ser um discurso que faça sentido para homens e mulheres de nosso tempo deve se dispor a ouvir as diversas vozes da atualidade para, a partir delas, repensar a si mesma e encontrar formas de acessar e se fazer compreensível para aqueles e aquelas a quem se dirige.

A disposição para aprender se envolvendo com aqueles e aquelas a quem quer ensinar é fundamental para a teologia. Sem isso, não passará de um discurso envolto em uma bolha, restrito a somente um determinado grupo de iniciados que conhecem os termos chaves para sua compreensão. Algo totalmente contrário ao exemplo de Jesus.

[1] FREIRE, Paulo. Carta de Paulo Freire aos professores. Estud. av. [online]. 2001, vol.15, n.42 [cited  2020-11-13], pp.259-268. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142001000200013&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1806-9592.  https://doi.org/10.1590/S0103-40142001000200013.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *