As propostas de Jacob Spener para a igreja de seu tempo

As propostas de Jacob Spener para a igreja de seu tempo

Photo by Bartholomäus Kilian, Public domain, via Wikimedia Commons


Philip Jacob Spener foi um teólogo luterano e protestante que tinha como intuito renovar a espiritualidade e o verdadeiro cristianismo que, a seu modo de ver, estava se esfriando na Alemanha do século XVII. Seus escritos, juntamente com outros autores como John Arnd, foram responsáveis pela renovação da Igreja Protestante ao redor do mundo.

Sendo o fundador do movimento pietista, tem claro que é competência dos cristãos procurar os meios para melhorar a Igreja e ajudá-la a alcançar a situação gloriosa. Para que seu intuito seja possível, Spener lista 6 propostas:

1 – Que a Palavra seja ensinada de modo mais extensivo entre nós.

Em seu pensamento estava clara a ideia de que quanto mais Palavra houvesse na vida dos cristãos, mais frutos esses dariam. Nesse sentido, defende que toda a Escritura deve ser conhecida e percebe que muito pouco Dela é explicada ao povo. Em seus escritos, defende a tese de que se fizermos o levantamento de todos os textos lidos pelos pregadores de sua época ao longo de um ano, perceberemos que muitos poucos textos da Escritura haviam sido lidos, ou seja, constantemente textos seriam repetidos, tais como os Evangelhos e os Salmos. Dessa forma, a Bíblia seria pouco conhecida pelos fiéis. 

2 – Cada pessoa deve conhecer as Escrituras

Para isso propõe que a seja feita, em família, a leitura do Novo Testamento, bem como a leitura dos livros bíblicos de tempos em tempos com resumos, o que facilitaria muito o aprendizado dos ensinos das Escrituras. Da mesma forma os cultos deveriam seguir o modelo apostólico das reuniões, com leituras da Palavra por diversas pessoas. Deveria haver reuniões com os pastores locais para a discussão fraternas para exposição de dúvidas por parte dos crentes menos experientes. Nesse sentido, o sacerdócio espiritual deveria ser exercido por cada crente em seu lar e em sua comunidade.

3 – O Evangelho deve ser vivido na prática.

Nesse sentido, seu desejo era “que se ensine e acostume as pessoas a crer que no cristianismo, o saber não é suficiente de forma alguma, pois este consiste fundamentalmente em prática”. Spener não despreza o conhecimento, porém recusa a ideia de que seria possível um cristianismo meramente teórico. Para ele, o cristianismo deve ser uma prática constante daquele que crê e, dessa forma, não se deve perder nenhuma oportunidade de fazer o bem ao próximo.

4 – Cuidar da maneira como nos conduzimos nas controvérsias religiosas com não crentes e heréticos

Para Spener, acima de tudo deve haver o amor cordial para com aqueles que não creem da mesma forma que nós. Para ele, não se deve colocar polêmica na reunião da Igreja. Nem mesmo a polêmica correta é o único método de manutenção da verdade, exigindo outros métodos ao seu lado. Em seu pensamento, difere fé e convicção intelectual da verdade. Fé e convicção intelectual estão bem distantes uma da outra.

5 – Reforma do estudo teológico para os pastores.

Spener se mostra preocupado com o ensino teológico dos diversos pastores que se formam nas universidades de sua época. Para ele, seria necessário a criação de laboratórios e estufas do Espírito Santo, sendo incentivadas as práticas cristãs por todo aquele que aspira ao pastorado. Para Spener a vida piedosa é tão importante quanto o estudo das demais atividades e o estudante deveria ser mais bem avaliado pela vida piedosa que se tinha fora da Universidade do que pelas suas notas acadêmicas. Spener vê a teologia como uma disciplina prática e insiste que os futuros pastores tenham essa consciência. Nesse sentido, os professores deveriam ser exemplos de vida piedosa para seus alunos, instruindo-os no caminho da verdadeira teologia, que é uma prática no mundo.

6 – Falar compreensivelmente a uma comunidade

Spener percebe que diversas vezes os pregadores de sua época usavam palavras de difícil compreensão para a maioria da comunidade da Igreja, o que acarretaria o não aprendizado das verdades do Evangelho por parte da comunidade simples. Spener insiste que se devem expor de forma compreensível as diversas controvérsias existentes. A pregação, para ele, deve ser um instrumento missionário e pastoral, que é justamente a vida prática de um pastor. Nesse sentido é necessário se exercitar na pregação e fazer com que tudo nela convirja para a edificação. A atenção deve ser dada aos mais simples. Eles também precisam compreender as verdades do Evangelho, mesmo com o pouco conhecimento que tem.

O pensamento de Spener, embora tenha quase 400 anos, se mostra extremamente útil para a vida da Igreja de nossos dias. Todas suas seis propostas, se aplicadas hoje, trariam maior conhecimento e comunhão entre a comunidade da Igreja. Embora a ênfase dada por Spener seja para a Igreja Evangélica, acreditamos que suas propostas podem ser aplicadas dentro de uma perspectiva ecumênica, visto percebermos que diversos apontamentos em seus escritos se fazem presentes nas diversas comunidades sejam elas católicas, ortodoxas ou protestantes.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *