Neo-fariseus…

Neo-fariseus…


É comum no mundo atual ter-se um discurso desassociado da prática. E isso não é só de hoje. Jesus, desde seu tempo já criticava a postura dos fariseus. 
Porém, aquilo que era condenado em Jesus nessas pessoas não era sua classe na sociedade, embora muitos pensem que Jesus criticava os fariseus por eles serem fariseus, antes suas hipocrisias ao exigirem do povo algo que nem eles estavam dispostos a fazer. 
Percebo que muitos de nós criticam os fariseus colocando-os como escória da sociedade da época e coisas do tipo, o que só revela um não conhecimento de quem os mesmos eram.
Os fariseus tinham uma qualidade acerca do conhecimento a respeito de Deus: eles conheciam aquilo que a Torá falava sobre Ele. Os fariseus foram os responsáveis pela manuntenção dos ensinamentos da Torá no período de silêncio entre Malaquias e Mateus. 
Durante os 400 anos em que, segundo a teologia, Deus não falou nada ao povo de Israel, os fariseus foram aqueles que lutaram para a manutenção dos costumes do povo de Israel, bem como foram os grandes responsáveis pela volta ao culto monoteísta no povo de Israel o que sem dúvida, preparou terreno para a vinda do Cristo. 
No entanto hoje percebemos um movimento diferente ao qual chamarei de um neo-farisaísmo. Esses fariseus são os que falam sem saber sobre o deus que se fala e ainda são hipócritas tendo suas práticas desvencilhadas dos discursos que pregam. 
Não sei nem se podemos falar que são fariseus, uma vez que falta uma das características principais destes que é o conhecimento com relação ao deus que se prega. Contudo preferirei chamar de neo-fariseus. 
Esses, muito presentes em nossos dias, são aqueles que não conhecem o que a bíblia fala sobre Deus, têm um discurso aprendido somente pelos programas de televisões ou via rádios, e ainda assim, não mantêm uma prática condizente com o discurso que afirmam. Pregam a muitos coisas erradas sobre Deus sob um pretexto de uma revelação divina. Revelações essas que partem mais de experiências pessoais e que muitas vezes vão contra os princípios bíblicos. Penso que esses ainda são piores que os condenados por Jesus na época em que esteve entre nós. Os que eram criticados por Jesus eram condenados pela hipocrisia e não pela falta de conhecimento. Aos de hoje porém, aliado com a hipocrisia, há a falta de conhecimento ensinando mentiras como se fossem verdades. 
Quanto aos fariseus hipócritas propriamente ditos, esses também  ainda existem entre nós. Ou seja, pessoas que conhecem o que a bíblia diz sobre Deus, falam sobre ele com propriedade não vivendo segundo Ele. Esses são os mais sutis uma vez que conseguem justificar suas práticas com embasamento bíblicos bem fundamentados. São como os fariseus da época de Jesus devido ao fato de não atentarem aos princípios da lei e sim à sua forma causando opressão aos que os seguem e “se apoderando da chave do conhecimento, não entram e impedem os que querem entrar”. 
Penso ainda que há os fariseus verdadeiros: aqueles que conhecem o que se diz sobre Deus, entenderam os princípios do reino e vivem de acordo com o que conhecem lutando para que aquilo que se entende como sendo a palavra de Deus seja pregada sempre. 
Percebo mais em nossos dias os fariseus aos quais chamei neo-fariseus. Infelizmente percebemos que são esses que estão à frente das instituições fazendo de pessoas simples massas de manobra de seus devaneios. 
Sempre penso sobre isso: que se falamos de Deus sem vivê-lo e sem fazer diferença no meio em que se está inserido, temos que rever urgentemente se é a Deus mesmo que estamos seguindo e se é realmente o evangelho das boas novas que temos pregado. 
Uma das críticas de Jesus era que os fariseus negligenciavam a misericórdia e a justiça preocupando-se somente na obediência às formas da lei e não aos seus princípios. 
Infelizmente percebo muito disso em nossos dias. Intolerância com os que pensam diferente, pretensão de conhecimento das verdades absolutas e negação da justiça para satisfazer instituições. 
E da mesma forma que Jesus mostrou que o evangelho incluía aqueles a quem todos excluíam mostrando que a eles também era dado o privilégio da salvação sem negociação de valores, antes com o entendimento da vontade de Deus para homem, assim devemos ser os fariseus de nossa época. 
Fariseus verdadeiros sem a hipocrisia que os condenava.
Nele, farisemo-nos

Fabrício Veliq
23.04.11 – 19:01
Compartilhe:

COMMENTS (2)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *