Gosto de pensar em árvores

Gosto de pensar em árvores


Gosto de pensar em árvores. Elas possuem suas raízes geralmente grandes, seu troncos ora grossos, ora não tão grossos assim e suas folhas verdes nas estações corretas.
Gosto de pensar que toda árvore serve para alguma coisa. Seja para dar sombra, seja para embelezar paisagens, seja para servir de ninhos aos pássaros, enfim, sempre servem para alguma coisa.
Árvores geralmente são admiradas pelas flores ou frutos que produzem. Sinceramente prefiro observar as flores aos frutos, mas de toda forma, há sempre alguém admirando uma árvore em algum lugar.
Árvores trazem a idéia de segurança, de que algo é inabalável e inatingível, de que podemos repousar sobre ela e ela continuará para sempre a nos proteger do calor do sol, que sempre terá uma beleza para se ver e um fruto para comer dela.
O que gosto de pensar é que árvores assim, que trazem todas essas conotações são as árvores que possuem as raízes profundas.
Raízes que foram se estendendo para além da terra no decorrer do tempo.
Leva-se tempo para que árvores se tornem fortes e inabaláveis nas diversas tempestades e ventanias.
E assim somos nós também. Deveríamos aprender com as árvores a beleza da vida, a consciência de que é com raízes profundas que se alcançam alturas inimagináveis e que crescimento interior leva tempo e exige a disposição de penetrar nos solos da alma e sondar-se a cada dia.
Árvores não desejam ser grandes, simplesmente crescem e se desenvolvem, tanto para baixo, quanto para cima.
Na maioria das vezes não percebemos seu crescimento para baixo, somente o crescimento para cima. E acho que isso é uma grande lição para nós. As pessoas ao nosso redor, dificilmente perceberão o crescimento de nossas raízes, só perceberão o aparecimento de nossas flores e frutos. Mas nós devemos saber como nossas raízes tem crescido e para onde ela tem crescido e isso fará diferença nas flores e frutos que serão vistos.
Devemos estender nossas raízes para os lugares e para as pessoas que nos farão crescer e desenvolver a fim de que possamos dar frutos e flores que alimentem vidas e encante almas ao se aproximarem de nós.
Que aprendamos a simplicidade das árvores, que crescem aos poucos sempre estendo suas raízes para os lugares que possam fazer crescer…

Fabrício Veliq
06.08.09 16:59

Compartilhe:

One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *