Benedictus: salvação, luz e paz como promessas de Deus

Benedictus: salvação, luz e paz como promessas de Deus

Photo by Brian Matangelo on Unsplash


O cântico de Zacarias, que se encontra em Lucas 1,68-79, é bastante conhecido entre os leitores e leitoras do texto bíblico. Esse cântico, que muitos textos colocam como salmo profético, apresenta algumas características marcantes da relação de Deus com seu povo ao longo de sua história.

Num primeiro momento a poesia que aqui se apresenta fala a respeito da visita de Deus a seu povo, uma característica marcante para se referir às diversas intervenções de Deus ao longo da história. Deus não é aquele que reina somente dos céus, de longe, mas intervém na história, como aquele que traz libertação e salvação nos momentos difíceis da caminhada. Lembrar-se disso tem a ver com fazer memória da forma como Deus é conhecido pela nação de Israel e Judá.

Ao mesmo tempo, esse Deus que caminha com seu povo também, como nos diz Zacarias em seu cântico, é aquele que faz cumprir a palavra que anunciou por meio de seus profetas. Aqui, é possível perceber outra característica de Deus: Ele é aquele que cumpre as suas promessas, de maneira que o motivo da esperança de seu povo está depositado na fidelidade que Deus tem para com sua palavra proferida. Uma vez que sempre cumpriu aquilo que prometeu, então a esperança não se fia somente em promessas etéreas, mas tem seu fundamento no prometente, como diria Moltmann.

Ao mesmo tempo, Zacarias nos lembra de que Deus não é um ser mau. Muito pelo contrário, é aquele que constantemente, ao longo da história de seu povo, mostrou sua bondade e seu cuidado, livrando-os dos seus inimigos e permitindo que se prestasse culto a Ele sem temor com relação a estes mesmos inimigos que, ao longo da história de Israel, mostraram-se como assoladores e pertubadores, muitas vezes impedindo o povo de adorar a seu Deus. Este Deus, por sua vez, como ressalta Zacarias, não está disperso, mas atento ao culto que lhe é prestado em santidade, retidão e fidelidade.

É nesse contexto que Lucas anuncia o nascimento de João Batista e que coloca na boca de Zacarias qual seria o ministério desenvolvido por esse menino que nasceria. João será chamado profeta do Altíssimo, ou seja, aquele que fala em nome de Deus, visando trazer o arrependimento e a conversão do povo. Algumas páginas à frente no próprio Evangelho se mostrará que João pregava o batismo de arrependimento e o fazia à margem do Jordão. Mais interessante ainda é que tal anúncio, no cântico, é colocado como “efeito da bondade profunda do nosso Deus” (v.78), e é por causa dessa bondade que a vinda do Messias é anunciada. O astro nascente do qual o texto fala provavelmente remete ao texto de Malaquias 4, em que fala sobre o sol da justiça que se levantará trazendo a cura em suas asas, clara alusão ao Messias prometido que trará a salvação e libertação para todos os povos, fazendo brilhar a luz de Deus sobre todas as nações.

Essa luz trazida por Deus em cumprimento à sua promessa é aquela que dissipa as trevas e liberta os seres humanos da morte, a fim de que encontrem a paz e conforto nos momentos de dificuldades.

Esse pequeno cântico, tão rico em sua mensagem, nos lembra de que Deus é aquele que cumpre suas promessas, faz-se presente nos momentos de adversidades e traz a sua libertação e cura para toda pessoa que volta seu olhar para ele. No lugar das trevas, brilha-se a luz, e no lugar do terror, pela bondade de Deus, irrompe-se a paz.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *