Sobre limões

Sobre limões


Pensando em uma pregação que ouvi do Vander sobre perfeição relativa, fiz essas considerações e gostaria de compartilhar com os que leem nesse blog:

Caso do limão: Mesmo que o mesmo ainda esteja pequeno, o agricultor sabe que para aquele momento ele é perfeito.
Como lidamos com isso enquanto igreja?
Muitas vezes, queremos que o fruto ainda pequeno já dê o suco suficiente de um limão grande. Pressionamos nossos irmãos a darem suco e suco de qualidade não reconhecendo que o mesmo pode não estar na hora de providenciar isso.
O que se cria? Acredito que dois pontos são interessantes:

1 – Geralmente crentes frustados por não conseguirem dar suco

2 – Crentes que não aproveitam sua fase de vida cristã.

É importante querer sempre ser melhor e crescer, mas para um desenvolvimento sadio é necessário, o passar por todas as fases: infância adolescência, juventude e maturidade.
Acredito ser o papel da igreja:

– Ajudar aos seus a identificar em que fase os mesmos estão em Cristo, sem pressioná-los ou menosprezá-los pela fase em que se encontram

– Estimular e auxiliar no seu crescimento para que cheguem à estatura de Cristo.

Assim como Deus nos compreende e nos auxilia a chegar na estatura de Cristo, a igreja deve ser assim com os seus.

Qual a consequência disso para a igreja? – Cria-se uma igreja capaz de discernir e avaliar as situações pelas quais os seus passam. Quando a igreja entende e identifica as fases em que seus membros estão, cria-se a tolerância no corpo. Tolerância em saber que todos estão no caminho, que todos estão crescendo, que todos tem aprendido e estão no processo. Assim fica mais fácil identificar e tratar os que não estão crescendo na época em que deveriam.

Isso é ser igreja.

Fabrício Veliq digitado em 31/01/09
12:30:48

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *